sexta-feira,

12/07/2024

Joinville/SC

Projeto “Trabalho de Corpo” será apresentado na rede municipal de Ensino

O artista visual e performer Jean Smekatz, iniciou a série de apresentações de performances do projeto intitulado: “Trabalho de Corpo”, com curadoria da renomada atriz- dançarina, performer e professora de dança Marta Soares, no final do ano passado no Museu de Arte de Joinville, com a performance “Derra-mar”.

Logo em seguida foi a vez de “Rito de Éthos – Para o Armário Jamais Voltaremos”, no Museu Nacional de Imigração e Colonização – MNIC.

Em abril, foi a vez de “Território”, na Galeria 33, já no mês de maio, Jean apresentou a performance “Queima Luz”, na estreia de sua primeira exposição individual “Energia do Gesto”, que seguiu em cartaz até o final de junho, na Galeria 33, com curadoria de Katiana Machado. No final no mesmo mês, o artista reapresentou “Território”, no Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville.

O projeto que é financiado pelo Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura (SIMDEC), teve como contrapartida social, a visita a escolas da rede pública municipal da cidade de Joinville, onde o artista além de performar, interagiu com os alunos, sobre sua trajetória, arte, processo criativo, além de desenvolver juntamente com os mesmos, uma a tela, feita durante a visita.

O início dessas atividades em parceria com a Secretaria Municipal de Educação deu-se na Escola Dr Sadalla Amin Ghanem, no Parque Guarani, logo em seguida a Escola Nelson Miranda Coutinho no Jarivatuba, EM Pastor Hans Müller, no Glória, Escola Laura Andrade no Jardim Iríriu e encerrando com duas apresentações e bate-papo na EM Edgar Castanheira, no bairro Fátima.

A série de performances encerra-se no dia 20 de julho, sábado, partir das 19h, na Galeria 33 com “Derra-mar”, a primeira apresentada, nesta primeira fase do projeto, que segundo Jean, atingiu seu objetivo, que era desmistificar a expressão corporal, levar junção da artes visuais e dança para um público além das galerias, museus e espaços culturais, utilizando performances que transcendem os limites convencionais do fazer artístico, proporcionando uma oportunidade única para o público imergir ainda mais no mundo expressivo do artista.

“Levar arte para crianças e adolescentes, visitando essas escolas municipais da cidade, foi gratificante, ocupar espaços onde a arte às vezes não chega, dialogar, desmistificar o oficio de ser artista, não tem preço e é algo que eu levarei para o resto de minha vida.” Jean Smekatz

JEAN SMEKATZ

Jean Smekatz é um artista visual natural de Rio Negro, Paraná́, que atualmente reside e trabalha entre Joinville, Santa Catarina e São Paulo. Sua jornada artística começou na infância, através da participação em grupos de teatro e escolas de dança, o que o levou a participar de eventos de renome internacional, como o Festival de Dança de Joinville e a Mostra Paranaense de Dança.

Smekatz é bacharel em Design de Moda e estudou disciplinas do bacharelado em Artes Visuais, ambos na Universidade da Região de Joinville (Univille).

Além disso, ele possui formação em artes através de cursos livres e acompanhamento de artistas e curadores da cena artística nacional, incluindo a participação na Residência Artística Expressionismo Abstrato, conduzida por Ricardo Kolb, na Galeria 33, a mesma que o representa.

Smekatz executou inúmeros projetos de arte, cultura, design e moda, sendo um dos destaques a concepção do Carnaval para uma das escolas de samba mais antigas de Santa Catarina, a Príncipes do Samba. Como artista visual, ele apresentou a performance “Derra-mar”, no Centro de Artes e Design da Univille em 2021

Em 2022 inaugurou o projeto “Galeria a céu aberto”, da Galeria Municipal Victor Kursancew, através de um edital municipal de cultura, com a performance “Actus”.

Em 2023 participou da coletiva Jovens artistas Catarinenses na Galeria de Arte Contemporânea da Fundação Cultural de Criciúma, Exposição Sindicatos dos Artistas em São Paulo e Visões Catarinenses na Galeria 33.

Smekatz também é conselheiro da AAPLAJ – Associação de Artistas Plásticos de Joinville e do Museu de Arte Contemporânea Luiz Henrique Schwanke| Mac Schwanke.

MARTA SOARES

Marta Soares é dançarina e coreógrafa. Completou o One Year Course no Laban Centre for Movement and Dance em Londres.

Em Nova Iorque completou o bacharelado em artes (BA) no Empire State College na State University of New York (SUNY), o Certificado em Análise de Movimento Laban (CMA) no Laban/Bartenieff Institute of Movement Studies (LIMS), estudou e trabalhou com a diretora e dramaturga Lee Nagrin (fundadora do grupo “The House” dirigido por Meredith Monk e ganhadora do Prêmio OBIE em dramaturgia) e nas escolas Movement Research, Susan Klein, Alwin Nickolais, entre outras.

Apresentou seus trabalhos em show cases em vários teatros downtown de Nova Iorque, entre os quais destacam-se: PS 122, DIA Arts Foundation e The Knitting Factory.

Recebeu a Bolsa para artistas da Fundação Japão através da qual estudou dança butô com Kazuo Ohno em Tóquio.

Os seus trabalhos foram apresentados em vários festivais nacionais e internacionais, tais como: Fórum Internacional de Dança em Belo Horizonte (FID), Festival Panorama Rio Arte de Dança, Festival Porto Alegre Em Cena, Festival Internacional de Dança de Recife, Bienal Internacional de Dança do Ceará e Festival de Dança de Joinville.

Festival Temps d’Images no CentQuatre em Paris, França, Festival Queer Zagreb em Zagreb, Croácia, Festival Europália no The Single na Antuerpia, Bélgica e Festival In Transit na Haus der Culturen der Welt em Berlim, Alemanha.

É mestre em Comunicação e Semiótica e doutora em Psicologia Clínica/Artes (Núcleo de Subjetividade) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, onde também lecionou na Faculdade das Artes do Corpo no período entre 1999 e 2012.

A artista tem quatro prêmios da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) na área da dança.

Você não pode copiar o conteúdo desta página
Pular para o conteúdo